Portal do Governo Brasileiro

1.O que é Transferência de Tecnologia?
A Transferência de Tecnologia, em sentido amplo, pode ser entendida como um processo para disponibilizar conhecimentos, técnicas, métodos de produção, de forma a assegurar que o desenvolvimento seja acessível para um número maior de usuários que podem desenvolver e explorar este conhecimento em novos produtos, materiais e serviços.
Também se pode dizer que Transferência de Tecnologia é a permissão dada ao titular do direito da inovação para vender ou ceder a terceiros o produto de sua criação. É, portanto, uma negociação econômica e comercial que atende a determinados preceitos legais.

2.Quais são as ferramentas para transferir tecnologias?
A transferência de tecnologia forma um conjunto de instrumentos que permite a apropriação pelo Setor Produtivo de tecnologias desenvolvidas pela UFSM, isoladamente ou em conjunto, como resultado das atividades de seus pesquisadores. A transferência de tecnologia é um gênero, que tem como espécies a cessão, licenças e saber fazer (know-how).

3.O que é Know-how/saber fazer?
O contrato de Saber Fazer estipula as condições para a aquisição de conhecimentos e de técnicas não amparados por direitos, incluindo conhecimentos e técnicas não amparados por propriedade industrial depositados ou concedidos no Brasil.
Via de regra, neste tipo de relação à aquisição não é sobre a tecnologia em si, e sim sobre os dados inerentes à atuação de uma determinada empresa em seu mercado relevante, ou ainda sobre produtos e/ou processos, dentre outros, que não possuam patenteabilidade nos termos da legislação relevante.
Como a UFSM não produz diretamente para o mercado, sua atuação neste tipo de contrato é limitada, porém está autorizada por lei caso seja conveniente que seja realizada, em especial quando a técnica ou conhecimento não for passível de proteção formal, porém detenha relevância comercial.

4.O que é Contrato de Licenciamento?
A licença ou licenciamento de patente, cultivar, software, etc., é o direito à outorga a terceiros sobre a exploração comercial que tem o titular (proprietário) daquele direito concedido pelo INPI. O detentor de tecnologia é, em princípio, única pessoa, física ou jurídica, que tem o direito de exploração da tecnologia concedida, e deverá proceder à comercialização ou exploração desta, inclusive podendo ser realizado licenciamento compulsório por falta de exploração do objeto da proteção formal.
O contrato de licenciamento possui delineamentos semelhantes à locação, e aos alugueres, corresponderão royalties que deverão ser fixados pelo contrato e pagos pelo licenciado ao licenciante.
Ao ser concedida uma proteção, deverá o detentor proceder à exploração de sua patente, porém como a UFSM não realiza atividades de comércio, não sendo sua finalidade, ao se solicitar um pedido de proteção, se ele não for utilizado por alguma instituição, seja com intuito comercial, seja com objetivos de novas pesquisas, a proteção estará impedindo o desenvolvimento técnico e científico que poderia ser feito a partir desta proteção.

5.O que é Contrato de Cessão?
A cessão pode ser definida como a transferência total do objeto de proteção formal, bem como o direito a requerer esta proteção junto ao órgão competente, ou seja, o INPI. Por este instituto, o titular deixa de sê-lo, de forma análoga à venda de bens.

6.Por que proteger e transferir tecnologias?
O licenciamento de tecnologias é realizado quando a detentora dos direitos de exploração não possui os meios necessários para fazê-lo, como ativos complementares importantes para esta exploração e conhecimento técnico de mercado. No caso da UFSM, além disto, recairia em desvio de finalidade a exploração comercial de tecnologias, por mais que detentoras deste direito. Assim, há necessidade da UFSM licenciar seus ativos, desenvolvidos por meio de seus pesquisadores quando do exercício de suas funções de pesquisa, realizada para descobrir novos conhecimentos e auferir reconhecimento no meio acadêmico.