Portal do Governo Brasileiro

1.Como é definida a inovação e qual sua regulamentação?
A Lei 10.973/04, chamada de Lei de Inovação que, regulamentando os artigos 218 e seguintes da Constituição Federal, dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e estabelece que se considera inovação tecnológica aquela que introduz novidade ou aperfeiçoamento no ambiente produtivo ou social que resulte em novos produtos, processos ou serviços.
Além desta lei, é pertinente à inovação a Lei 9.279/96, que regulamenta os direitos de Propriedade Industrial, e a Lei 11.196/05, que estabelece regime especial de tributação e, dentre outros, dispõe sobre incentivos fiscais para a inovação tecnológica.

2.Qual a diferença de Inovação Tecnológica e Criação?
É considerada criação o desenvolvimento de uma invenção, modelo de utilidade, desenho industrial, programa de computador, topografia de circuito integrado, nova cultivar ou cultivar essencialmente derivada e qualquer outro desenvolvimento tecnológico que acarrete ou possa acarretar o surgimento de novo produto, processo ou aperfeiçoamento incremental, obtida por um ou mais criadores.
A inovação tecnológica se refere à entrada no mercado de um produto (bem ou serviço) tecnologicamente novo ou substancialmente aprimorado pela introdução na empresa de um processo produtivo tecnologicamente novo ou substancialmente aprimorado. Inovação diz respeito a um produto e/ou um processo novo para a empresa, não sendo necessariamente novo para o mercado/setor de atuação.
Para as ações de Transferência de Tecnologia da UFSM com a iniciativa privada, não há necessidade de que a inovação, assim, seja novidade absoluta em território nacional e internacional, não se resumindo inovações tecnológicas às criações.

3.Por que inovar?
A Inovação é um fator relevante na avaliação e na medição de indicadores de desenvolvimento econômico de uma nação. A relevância de um Estado no contexto mundial e em sua economia interna é pautada pelo desenvolvimento tecnológico nacional e permite a geração de benefícios reais para a população, como melhor qualidade de vida, maior renda, redução do desemprego, etc.
Para o empreendedor inovador, a inovação permite a adoção de novas práticas no mercado contemporâneo, podendo obter monopólio temporário. Além disto, o empreendedor inovador poderá se beneficiar dos incentivos fiscais pertinentes.
O capitalismo somente funciona ao revolucionar continuamente as relações de produção, pois a competição de mercado que realmente importa é a imposta mediante a implementação de novas tecnologias, em oposição à mera competição por preços


4.Onde a UFSM se insere no contexto da inovação?
A UFSM é uma Instituição Pública cujos objetivos principais são o Ensino, a Pesquisa e a Extensão, e em razão destes objetivos detém infra-estrutura e meios necessários para a pesquisa aplicada com vistas à resolução de problema técnico com aplicação industrial. Além disso, a UFSM dispõe de recursos humanos altamente qualificados e com vasta expertise em pesquisa científica e tecnológica.
A produção de inovação tecnológica em conjunto com o setor privado também permite que os pesquisadores da UFSM executem pesquisas com o envolvimento de alunos, potencializando seu potencial empreendedor e o aprendizado fático de sua esfera profissional.
Ademais, a produção científica ou mesmo o acúmulo do conhecimento tecnológico, se desprovidos de uma ligação com as necessidades de mercado, não são suficientes para impulsionar a inovação. O desenvolvimento de pesquisas em conjunto com a iniciativa privada e a transferência de tecnologias desenvolvidas no âmbito da UFSM são uma importante ferramenta de viabilização de pesquisas, pois o setor público e o privado não conseguem mais arcar, individualmente, com os custos inerentes à produção tecnológica e inovação.
As ações em conjunto, ainda, permitem que o Ensino na UFSM seja beneficiado, promovendo a inserção da comunidade acadêmica nas dificuldades encontradas na sociedade em sua área de atuação, permitindo o estímulo da capacidade empreendedora dos acadêmicos envolvidos, bem como pauta a geração de conhecimento da própria instituição, permitindo maior interação com a realidade do mercado em determinada área do conhecimento.